Como é morar nos EUA


Não adianta, existem dezenas de países incríveis para se morar, mas os EUA estão constantemente no topo da lista dos brazucas. Não é à toa que foi o primeiro país que escolhi como destino internacional :)

Como é morar nos EUA


Morar nos Estados Unidos pode ser uma experiência completamente diferente para cada pessoa. Vai depender muito do propósito com o qual você vai (trabalhar e/ou estudar), da cidade escolhida, com quem você vai morar, sua personalidade, seus conhecimentos e etc.

Vou contar um pouco de como foi comigo...


Morei lá apenas durante as férias da faculdade, de dez/2010 a abr/2011, em um programa chamado Work & Travel. O programa proporcionava o visto J1, que dá permissão temporária de trabalho. Escolhi ficar em Park City (Utah) e morei com meu namorado e mais 6 amigos brasileiros... Essa era a nossa casa:

Como é morar nos Estados Unidos: nossa moradia


Como eu era super marinheira de primeira viagem, não tinha me preparado o suficiente. E por isso mesmo é que foi uma grande aventura (pra não dizer loucura)! Na época o meu inglês era bem fraquinho, eu não tinha muito dinheiro guardado e, como ainda era permitido chegar lá sem trabalho, é claro que foi isso que eu fiz. Pra completar, um dia antes de decolarmos, o dono da casa que tínhamos acertado por email falou que não ia mais querer alugar para nós!

Mas no fim deu tudo certo: correu tudo bem na viagem em si, o dono voltou atrás (e a vontade de recusar a bendita casa?! rsrs) e todos os meus flatmates conseguiram emprego. Eu consegui 2, um na TJ Maxx - loja de departamentos pertencente à maior rede varejista de roupas dos Estados Unidos - e outro em um cinema pequeninho:

Meu emprego nos Estados Unidos


Quanto ao inglês, posso dizer que melhorou, mas não satisfatoriamente. Dois grandes fatores contribuíram para esse "fracasso": (1) morei SÓ com brasileiros e (2) nos meus dois trabalhos havia brasileiros - meus flatmates - e mexicanos - que não falavam inglês. Claro que tinham os funcionários americanos também, mas nem sempre era fácil ficar papeando com eles. Em geral o pessoal era meio ocupado mesmo. A dica pra quem quer deslanchar no inglês é, óbvio, fazer o contrário do que eu fiz.

Quanto ao dinheiro, eu consegui algum, mas voltei pro Brasil no vermelho. Pelo fato do meu inglês ser bem básico, meus empregos não pagavam tão bem (U$7-U$8 por hora, sem tips). Pra ajudar, a temporada não estava muito movimentada, então as empresas estavam dando poucas horas de trabalho para a maioria dos funcionários. Ah, pra quem ainda não sabe, muitos empregos nos EUA não tem carga horária fixa. Funciona assim: toda semana o supervisor elabora o schedule (grade de horários) da sua equipe, conforme o volume de trabalho. Em dias movimentados, cheguei a trabalhar mais de 10 horas. Porém, nas semanas mais fracas, era suado pra conseguir 20 horas semanais.

Mas se você chega lá com um nível de inglês mais razoável, a situação melhora bastante. Meu namorado, por exemplo, falava um inglês intermediário e conseguiu empregos e pagamentos bem mais generosos. Mesmo com as viagens e compras caprichadas que fizemos, ele voltou com um dinheiro extra.

Outro fator que abalou as minhas finanças foi o preço da acomodação. Só depois de estarmos lá e falarmos com outros brasileiros, descobrimos que estávamos morando em um bairro rico e pagávamos apenas 4x mais o que eles gastavam com aluguel! Tudo bem que a nossa casa era super confortável e cheia dos cômodos, mas enfim...

Agora talvez você esteja se perguntando: considerando tudo isso, valeu a pena morar nos EUA? VALEU CADA MINUTO!

Foi lá que eu fiz snowboarding pela primeira vez:

Snowboard nos Estados Unidos


Eu podia ver essa paisagem com frequência:

Como é morar nos Estados Unidos: paisagens


Mesmo na "crise financeira", eu ia constantemente fazer compras no Tanger Outlets e conseguimos fazer umas pequenas viagens, incluindo Las Vegas <3

(obs: atualmente não acho mais comprar um grande atrativo de viagens, mas isso é papo para um outro post...)

Fazer compras nos Estados Unidos


Tive o meu primeiro e melhor natal entre amigos. É o único que me lembro de a janta e os presentes serem as partes menos importantes da noite...

Morar nos Estados Unidos: natal entre amigos

Um pouquinho sobre como era a cidade...

Um grande point de Park City é a Main Street, onde há vários restaurantes e baladinhas legais. Chegamos a pegar algumas bem bacanas :)

Os ônibus lá são aquecidos, silenciosos, pontuais e completamente DE GRAÇA! Em todos os pontos há plaquinhas informando as linhas e o horário que os ônibus chegam naquela estação.

Mesmo com esse sistema público eficiente, vale a pena alugar carro de vez em quando. É bem barato e é uma ótima oportunidade pra conhecer várias cidades vizinhas.

Em compensação, o sistema de saúde é caríssimo. Não queira usar!

Fora isso, me lembro com carinho das várias tardes e noites que passávamos na sala de casa junto à lareira compartilhando as nossas aventuras diárias de brasileiros nos Estados Unidos.

Mas talvez o que aquele país me trouxe de mais importante foi a sementinha do gosto por viajar e morar fora. Depois de lá eu vi o quanto é gostoso sentir o calafrio de estar em um lugar completamente novo, enfrentar obstáculos e fazer dar tudo certo. Descobri como os meus dias podiam ser diferentes e emocionantes. Aí já era tarde, nunca mais quis parar!


Post relacionado:
11 coisas que aprendi morando na China


Se você curte os artigos do Mundo de Viajante, cadastre-se aqui para receber os próximos posts no seu e-mail. É gratuito e eu prometo que nunca enviarei nenhum spam!

Para não perder nenhum conteúdo, acompanhe-nos também pelo Twitter e Facebook.
Compartilhe no Google Plus

Sobre Mayumi Tsuruyama

Me formei em Administração por adorar o universo empresarial. Mas também sou freelancer e blogueira, por amor ao mundo e à liberdade. Encaro todas as viagens que já fiz e ainda farei como trajetos de uma viagem maior, que é a vida. Seja como turista, estudante, trabalhadora ou mochileira, viajar me completa. E eu ainda tô longe dos 100%!
    Comentar via Blogger
    Comentar via Facebook

4 comentários:

  1. Ma....esse visto J1 não existe mais né? Exceto no caso do programa aupair. Soube que não é mais permitido estudar e trabalhar no EUA. Sabe alguma coisa a respeito?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Danusia! Acabei de confirmar com uma agência de confiança e o J1 ainda existe, sim, tanto para aupair quanto para outros tipos de trabalho. A diferença de quando fui é que na época era permitido entrar nos Estados Unidos com o J1 sem estar empregado e então conseguir trabalho quando chegasse lá, mas agora só pode entrar no país já com um contrato de trabalho. Talvez isso que você ouviu falar seja a respeito de outros tipos de visto de estudante, tipo para quem vai estudar inglês, ou fazer uma graduação ou pós. O J1 não é bem um visto de estudante, é um visto de intercâmbio com permissão de trabalho, e um de seus requisitos é ser estudante no seu país de origem.

      Excluir
    2. Oi, Danusia. Eu e meu marido chegamos em Utah mês passado e viemos com os vistos J1 e J2. Podemos trabalhar e estudar por aqui :)

      Mayumi, Park City é tão linda! Quero ir com calma passear por lá e não vejo a hora de começar o inverno pra fazer snowboard! Beijo!

      Excluir
    3. Muito obrigada pela sua contribuição, Aline!

      Sim, Park City é uma gracinha mesmo. Se um dia eu puder voltar, com certeza vou aproveitar muito mais do que naquela época do intercâmbio hehe. Já que vocês querem fazer snow, dêem uma olhada em season pass, pode compensar bastante ;)

      Beijão!

      Excluir

O que achou do artigo? É sempre gostoso ler as opiniões e contribuições de quem passa por aqui!
Se tiver alguma dúvida, leia a Política de comentários do Mundo de Viajante.