Diferenças culturais entre Brasil e Alemanha: 7x1 vantagens verde-amarelas


Quando a gente conhece um pouco de outras culturas, é normal comparar com a nossa e achar vários pontos positivos e negativos em ambas as partes. Aqui no Velho Continente, estou vendo de perto algumas diferenças culturais entre o Brasil e a Alemanha.

Semana passada eu postei um artigo sobre diferenças entre brasileiros e alemães, ressaltando as vantagens de morar na Alemanha. Hoje chegou a vez de falar das vantagens do lado verde-amarelo, com o placar 7x1 invertido :D

1. Aluguel de imóveis

Para alugar uma casa ou apê, normalmente procuramos uma imobiliária ou pegamos o contato do proprietário diretamente nas placas em frente aos imóveis. Aí visitamos vários locais, pensamos, negociamos, pensamos mais um pouco e, após semanas ou até meses, escolhemos o imóvel que mais gostamos. Certo?

Esqueça tudo isso na Alemanha!

Nas maiores cidades como Berlim e Hamburgo, pelo menos, é um pesadelo achar um lar para morar. É raríssimo ver uma placa de "Aluga-se", porque os proprietários simplesmente não precisam se dar esse trabalho. Basta anunciar em um dos vários grupos do Facebook ou sites de imóveis que em poucas horas terão dezenas de potenciais inquilinos interessados. Às vezes até para anúncios sem foto, pode acreditar!

Nas imobiliárias a rotatividade é tão grande que muitas não dão conta de manter os imóveis atualizados no site. Geralmente perguntam o que você procura e te colocam numa lista de espera para ser contatado caso apareça alguma oportunidade - ou seja, não se iluda achando que vai ter um imóvel disponível para você visitar assim que falar com algum atendente.

Uma prática bem comum por aqui é fazer visitas abertas: marcar um horário único para mostrar o apê para todos os interessados. Dá pra pensar em um cenário mais competitivo?

Tanto nas visitas abertas quanto nas individuais (se você tiver sorte de conseguir uma!), o dono do imóvel ou a imobiliária já espera que você compareça com todos os documentos necessários para entregar caso queira alugar aquele local. Se você entregou tudo certinho, comprovou renda e deixou claro que aquele é o apartamento da sua vida, ainda pode ser que não consiga, porque muitas outras pessoas fizeram exatamente a mesma coisa. Parece uma guerra!

Depois de passar por isso, comecei a entender a cara de pena que todo mundo faz quando digo que estou procurando um lugar para morar.
Apartamentos em Berlim
Esses prédios de até cinco andares são uma graça, mas nos mais altos cabem mais apartamentos

2. Burocracia

Acredite se quiser, mas aqui tá me parecendo ter ainda mais burocracia do que no Brasil.

Só para você ter uma ideia, conseguir um simples comprovante de residência dá uma dor de cabeça danada. Primeiro é necessário encontrar um imóvel que possa ser registrado, depois agendar o registro de residência em um órgão público e, então, comparecer com uma série de documentos. Caso mude de endereço, tem que fazer tudo de novo!

Na Alemanha existem 6 categorias diferentes para pagar impostos. Por um lado é justo, porque os descontos são ajustados conforme a situação de cada pessoa. No entanto, não é um sistema prático: precisa ter o tal registro de residência pronto, esperar receber um número por correio e depois levar esse número no Departamento de Finanças para que eles te coloquem na categoria certa. E adivinha o que acontece se você tiver um filho, casar, separar ou enviuvar? Outra visita para o pessoal das finanças atualizar a sua categoria de impostos.

Além disso, há uma taxa mensal para utilizar rádio e TV, mesmo que você não tenha nenhum desses aparelhos em casa. Também é obrigatório ter seguro saúde e aconselhável fazer outros tipos de seguro contra terceiros para evitar ter que pagar uma fortuna se a sua bike arranhou um carro na rua, por exemplo.

Não vou nem começar a falar da burocracia para poder emitir vistos de estrangeiros...

3. Supermercado todos os dias

No post anterior, comentei sobre várias coisas bacanas que observei nos supermercados alemães. Acontece que eles tem um problema: não abrem aos domingos e em vários feriados. Também nunca vi nenhum 24h.

Isso é bem inconveniente pra quem está acostumado com supermercados disponíveis todos os dias. Não sei em outras cidades brasileiras, mas em Floripa eles funcionam de segunda a segunda e é difícil um feriado em que fechem. Só não acho certo explorar os funcionários: ter que trabalhar no Natal ou dia 31/12, por exemplo, é sacanagem.

Fora essas exceções, vamos combinar que domingo é um dia excelente para dar aquela passadinha no super. Então, ponto pro Brasil!
Supermercado na Alemanha
Supermercado Edeka em Berlim
Olhando essa foto, ninguém diz que pode ter tanta diferença cultural envolvida considerando só os supermercados!

4. Clima

Indiscutivelmente, o clima brasileiro é foda!

Temos as quatro estações do ano bem definidas. Nosso calor pode até parecer insuportável às vezes, mas não durante a maior parte do ano - e você concorda que a gente sabe aproveitar bem ele, né? Podemos desejar a beleza da neve em alguns momentos, mas basta olhar para o termômetro dessas cidades pintadas de branco para nos sentirmos reconfortados. E quem não estiver satisfeito com o clima da sua cidade, pode optar por uma boa variação climática do norte ao sul do país.

Não só comparando com a Alemanha, mas com outros países que morei, o Brasil tem muita sorte. No meu intercâmbio nos Estados Unidos, eu e meus amigos sofremos um bocado com o clima seco e frio, depois com a neve derretida na calçada molhando nossas meias. Quando morei na China, percebi que durante vários meses simplesmente não dá pra sair de casa sem guarda-chuvas e uma bota impermeável. Além da chuva tinha o calor e muita, muita umidade. Era de suar parado em 10 minutos fora do ar-condicionado.

Já aqui nas terras alemãs, tenho medo que o frio nunca vá embora. Em plena primavera, chega a fazer temperaturas negativas. No inverno, às 17h o céu está completamente escuro. A falta de sol é um verdadeiro drama! Muitas crianças e adultos tomam suplemento de vitamina D, pois simplesmente não tem sol o suficiente para eles.

Quando faz sol aqui em Berlim, a galera quase faz uma festa. A cidade se transforma: todos ficam felizes, fazem muitas atividades ao ar livre e lotam os parques. Já ouvi boatos de gente que vai até sem roupa pro parque, só não sei dizer se isso é comum.
Clima na Alemanha
Típico dia frio e cinzento de inverno em Berlim
É preciso criar coragem e sair igual a um esquimó mesmo ou ficar trancado em casa por meses 

5. Frutas e verduras

O clima bom nos leva a outra vantagem: agricultura privilegiada.

Sempre fui acostumada a ter várias opções de feiras de bairro durante a semana, com muitas frutas e verduras por menos de R$2 o quilo. Os vários "Direto do Campo" espalhados pela cidade também eram uma maravilha, abrindo quase todos os dias.

Em Berlim existem essas feiras, mas não são tão frequentes. Ainda não encontrei nenhuma perto do meu bairro, o que me força a recorrer aos supermercados. Pesquisando bastante, de vez em quando encontro comida a €0.85 o quilo, mas o comum é a partir de €1,99. Alguns alimentos que fazem parte do prato brasileiro no dia a dia também não chegam aqui... saudades, aipim! hahaha

Pra dar uma compensada, outras opções como cogumelos, nozes, castanhas e industrializados geralmente são mais em conta por aqui.

6. Hora do banho

Nós brasileiros costumamos ter um espaço caprichado para tomar um banho gostoso.

Estou falando de um espaço mínimo de um ou dois passos pra você sair debaixo d'água e ir buscar o shampoo, de um chuveiro com uma altura adequada e não muito pequeno, além de um box (ou cortina).

Aqui na Alemanha - e talvez em boa parte da Europa - não tem nada disso! Na verdade até tem, mas só é comum em banheiros mais chiques ou renovados. O típico aqui não é o nosso clássico chuveiro + mangueirinha, mas apenas um "mangueirão" usado como chuveiro, que normalmente é menor do que nosso chuveiro padrão e precisa ficar segurando durante o banho - alguns tem um suporte para pendurar, mas a maioria não.
Banheiro com banheira típico da Alemanha
Chuveiro com suporte para o mangueirão e sem cortina. Molha tudo em volta da banheira depois do banho!
Claro que há muitas variações, mas eu diria que esse é um exemplo típico daqui.

Eles também costumam usar banheiras ao invés de ficarem em pé diretamente no piso. Talvez isso explique o mangueirão: ouvi dizer que europeus tomam banho sentados ou deitados na banheira, por isso preferem uma mangueira móvel ao invés de um chuveiro. Pode até ser gostoso tomar banho assim, mas não é nada prático ter que ficar limpando a banheira sempre pra poder sentar, né?

Depois vem o box, ou a falta dele. Não consigo entender como as pessoas não se incomodam em molhar o banheiro todo enquanto tomam banho, ou tomam sem molhar. Banheiros novos e reformados aqui em Berlim estão adotando o bom e velho box que já usamos há tantos anos, porém o espaço dentro do box costuma ser bem pequeno.

7. Povo caloroso

Não só brasileiros, mas latinos em geral são famosos por serem um povo caloroso. Deve ser por causa do nosso sorriso no rosto e esse costume de tocar, abraçar e beijar alguém que acabamos de conhecer.

Mais uma vez, esqueça tudo isso em terras alemãs. Eles estão longe de serem rudes ou grosseiros, mas digamos que não curtem contato físico com quem não é íntimo.

Conheço uma moça alemã que passou mais de um ano fazendo intercâmbio em São Paulo e voltou para Berlim faz uns meses. Ela contou que após um jantar com amigos alemães super próximos, eles ficaram achando ela estranha por tocar demais neles. Depois ela ficou se perguntando "será que a gente nunca se tocava durante todos esses anos de amizade?". Parece que não.

Ver casais se beijando na rua é uma raridade - e se você ver, é bem provável que sejam estrangeiros. Agora imagine isso em uma balada ou barzinho... não existe ficar, gente! Um amigo me contou que por aqui rolam uns minutos de conversa e, antes de qualquer beijinho, o famoso "na sua casa ou na minha?", tipo nos filmes mesmo. Tem que ser carudo pra fazer isso. Meio estranho, né?
Diferenças culturais entre brasileiros e alemães
Galera curtindo o Mauerpark em Berlim

Agora me desculpa, Brasil, mas a Alemanha tem uma vantagem bem sedutora: poder de compra

Talvez você tenha escutado que é mais caro morar aqui, por causa do euro, por ser muito turístico ou porque a Europa em geral é mais cara do que o Brasil.

Depende. Se você recebe em reais e fica convertendo tudo, provavelmente será mais caro. Já para quem trabalha aqui, o poder de compra é muito maior, mesmo nos setores ou cargos em que não se ganha tão bem.

Pense comigo: em 2017, no Brasil, o salário mínimo está em R$ 937 e o médio em R$ 2.110 (menor do que a média da China); enquanto na Alemanha o mínimo é em torno de € 1.530 e o médio € 3.716. Para ter uma noção melhor com base no custo de vida, vamos pensar em exemplos dentro de dois cenários bem plausíveis:

A) Maria, brasileira, mora em Floripa e recebe R$ 2.200 por mês. Ela paga um aluguel + condomínio de R$ 1.000 mais R$ 170 de contas (luz, água, internet e gás).

B) Heins, alemão, mora em Berlim e recebe € 3.800. Ele paga € 900 de aluguel + condomínio (isso porque os preços na cidade estão inflacionados nos últimos anos, mas antes era fácil achar algo por € 500) mais € 80 de contas.

Tanto a Maria quanto o Heins moram sozinhos e em aptos equivalentes em termos de localização e tamanho. Note que ambos recebem um pouco mais do que a média salarial dos seus países. Mas a Maria, coitada, gasta 53,18% do salário só com moradia, enquanto o Heins gasta apenas 25,79% com as mesmas despesas. Se considerarmos preços de itens do dia a dia como passagens de transporte público, alimentos, roupas e eletrônicos, essa proporção se repete com bastante frequência. Isso é muito triste!

Euros

Olhando para esses dados fica fácil entender por que tanta gente quer morar fora.

Por favor entenda que a minha intenção não foi dizer que quem mora no Brasil é um miserável. Cada caso é um caso e sei que muita gente aí vive melhor do que eu ou várias pessoas aqui. Apenas quis mostrar uma outra realidade.

A principal razão de eu ter criado o Mundo de Viajante é incentivar e ajudar as pessoas que, assim como eu, buscam uma vida diferente através das viagens. Pode contar comigo em todas as informações que eu puder dar :)

Um abração e boas viagens para nós!

Artigos relacionados a essa postagem:
Alemanha vs Brasil: 7x1 diferenças culturais do dia a dia

Se você curte os artigos do Mundo de Viajante, cadastre-se aqui para receber os próximos posts no seu e-mail. É gratuito e eu prometo que nunca enviarei nenhum spam!

Para não perder nenhum conteúdo, acompanhe-nos também pelo Twitter e Facebook.
Compartilhe no Google Plus

Sobre Mayumi Tsuruyama

Me formei em Administração por adorar o universo empresarial. Mas também sou freelancer e blogueira, por amor ao mundo e à liberdade. Encaro todas as viagens que já fiz e ainda farei como trajetos de uma viagem maior, que é a vida. Seja como turista, estudante, trabalhadora ou mochileira, viajar me completa. E eu ainda tô longe dos 100%!
    Comentar via Blogger
    Comentar via Facebook

2 comentários:

  1. Como uma brasileira que mora ha seis anos na Inglaterra (mas eh doida pra morar em Floripa), eu te entendo demais! Otimo artigo, bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha justo Floripa? Que coincidência!
      Esses prós e contras são o nosso eterno dilema, né?
      Obrigada pelo comentário, Larissa. Que bom que vc gostou :) Um beijo!

      Excluir

O que achou do artigo? É sempre gostoso ler as opiniões e contribuições de quem passa por aqui!
Se tiver alguma dúvida, leia a Política de comentários do Mundo de Viajante.